quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Cepe divulga resultado do Prêmio Nacional de Literatura

Cada um dos quatro vencedores receberá 20 mil
reais e terá livro publicado pela Cepe Editora


São de Fortaleza (CE), Ouro Preto (MG), Porto Alegre (RS) e Rio de Janeiro (RJ) os vencedores do Premio Nacional Cepe de Literatura, nas categorias Literatura Infantojuvenil, Romance, Contos e Poesia, respectivamente. O concurso foi promovido pelo governo do Estado por meio da Companhia Editora de Pernambuco, vinculada à Casa Civil, em comemoração aos 100 anos da Imprensa Oficial do Estado de Pernambuco, criada em 27 de dezembro de 1915 pelo governador Manoel Borba.

O vencedor de cada categoria faz jus ao prêmio de 20 mil reais e a publicação do seu livro pela Cepe Editora. São vencedores: Helton Alexandre Pereira Alencar, técnico administrativo, residente no bairro Jangurussu, em Fortaleza, que concorreu com a originalíssima obra Infantojuvenil E eu, só uma pedra; Sérgio Corrêa de Siqueira, aposentado que vive na zona rural de Ouro Preto, vencedor na categoria Romance com O grande massacre das vacas; Guilherme Azambuja Castro, servidor público federal de Porto Alegre, vencedor na categoria Contos com O amor que não sentimos e outros contos; e o professor aposentado Marcus Vinícius Teixeira Quiroga Pereira, do Rio de Janeiro, vencedor com Elogio do carvão, na categoria Poesia.

Participaram do concurso 579 autores de quase todos os estados brasileiros, com maior incidência de pernambucanos, paulistas, mineiros, cariocas, gaúchos, paranaenses e baianos. Brasileiros residentes no exterior também participaram, sendo dois de Portugal, um dos Estados Unidos, um do Chile e um da Holanda.

O julgamento foi realizado em duas etapas, com uma comissão de pré-seleção e outra de premiação, ambas formadas por pessoas de renome na área de Literatura. A primeira comissão, que selecionou as 10 melhores obras de cada categoria, contou com o escritor e editor Christiano Aguiar, o jornalista e escritor Eduardo César Maia, a poetisa Jussara Salazar e o poeta e pesquisador Fábio Andrade. A comissão de premiação foi formada pelo romancista, crítico, biógrafo, cronista, contista e jornalista José Castello; pelo escritor, jornalista, dramaturgo, roteirista e músico Luís Henrique Pellanda, que atua como coeditor e cronista do site Vida Breve e colunista do jornal literário Rascunho; e pelo professor e escritor Anco Márcio Tenório Vieira, coeditor da revista Investigações, do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL/UFPE), e autor de diversas publicações, no Brasil e no exterior.


OUSADIA LITERÁRIA – Segundo parecer da comissão de premiação, que elegeu o vencedor de cada categoria, é de grande ousadia intelectual o livro E eu, só uma pedra, de Helton Alexandre, cujo protagonista – uma pedra – foge dos clichês e estereótipos que costumam cercar as histórias infantis. Elogio do carvão, de Marcus Vinícius Quiroga, foi visto como uma obra que reflete a respeito da própria poesia, vista não só como atividade intelectual mas como forma de expressão lírica. Em O massacre das vacas, Sérgio Corrêa de Siqueira, com uma narrativa equilibrada, firme e persuasiva, envereda pelo romance histórico mas submete a História à ficção, recriando pela imaginação o passado brasileiro. Finalmente, o conjunto de contos deO amor que não sentimos, de Guilherme Azambuja Castro, trata as relações familiares e emocionais com delicadeza, sensibilidade original e ótimo uso da oralidade, além de fazer uso equilibrado das referências extraídas da cultura pop, geracionais ou das tradições gaúchas.








Com informações da assessoria.










Ads Inside Post