sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Nove em dez casos de assassinato de jornalistas ficam impunes, afirma ONU



A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) lançou relatório nas cidades de Paris, Nova York e Londres no dia 2 de novembro, marcando o Dia Internacional pelo Fim da Impunidade dos Crimes contra Jornalistas. Avaliando a resposta dos países-membros em relação a assassinatos de jornalistas, o relatório faz um balanço das medidas tomadas pelos Estados para se dirigir à questão.
A data da publicação foi escolhida em memória do homicídio de dois jornalistas franceses em Mali em 2013. De acordo com a pesquisa, apenas um em cada dez casos de assassinato de jornalistas resulta em condenação do responsável.
No ano de 2014, 13 dos 59 países estudados que registraram assassinato de jornalistas responderam à solicitação de informações sobre as medidas tomadas para se dirigir ao problema. Já em 2015, 24 de 57 Estados enviaram a resposta formal, mostrando uma tendência de melhora. No entanto, as respostas indicam ainda altas taxas de impunidade.
Apesar dos problemas, entre os países da América Latina, 85% – ou 17 dos 20 países – indicam desenvolvimento de medidas legais para regular a proteção de fontes jornalísticas.

Segundo relatório, a região dos Estados Árabes se classifica como a mais perigosa para jornalistas, com 64 homicídios, dentre os registrados, entre 2013 e 2014, seguida da América Latina, que somou 51 mortes neste período.



Do portal do Sindsep.






Ads Inside Post