sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Dieese recebe homenagem na Alepe


O Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) recebeu uma homenagem aos seus 60 anos, na noite de ontem, durante sessão solene realizada na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). A sessão, convocada pela deputada Teresa Leitão, contou com a presença de trabalhadores, representantes de sindicatos, centrais sindicais, movimentos sociais e políticos. Na ocasião, a coordenadora geral do Sindsep e representante da Executiva Nacional do Dieese, Graça Oliveira, recebeu uma placa comemorativa aos 60 anos da entidade, completados em dezembro de 2015.
“O Dieese é um patrimônio do movimento sindical e da sociedade em geral pelo trabalho que presta a todos. O departamento possibilita que os representantes dos trabalhadores possam ir a uma mesa de negociação com todos os dados estatísticos necessários para lutar por nossos direitos”, ressaltou Graça Oliveira. 
A noite contou ainda com a presença do vereador Jurandir Liberal, representando a Câmara do Recife, do secretário-geral do Sindsep-PE, José Carlos Oliveira, além de diretores do Sindicato, da economista Tânia Bacelar, do coordenador do escritório regional do Dieese/PE, Dinaldo Lessa, da supervisora técnica do escritório regional do Dieese em Pernambuco, Jackeline Natal, da técnica da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), Milena Prado, e do deputado José Maurício, responsável por presidir a sessão. 
A deputada Tereza Leitão lembrou um pouco da história do Dieese em seu discurso. Na década de 1950, as lutas sindicais encontravam a barreira de como comprovar a percentagem que os trabalhadores reivindicavam. Os únicos órgãos em que a justiça se baseava eram uma comissão do Ministério do Trabalho e a Secretaria de Abastecimento de São Paulo. No entanto, os dados dessas duas fontes nunca batiam com o custo de vida do trabalhador. Então surgiu a ideia da criação de um organismo de levantamento de custo de vida. Com este propósito, o Dieese foi criado em 22 de dezembro de 1955, por um grupo de 20 dirigentes sindicais paulistas.
Um dos primeiros trabalhos do Dieese, ainda na década de 1950, foi uma pesquisa de padrão de vida das famílias paulistanas, que serviria como base para o Índice de Custo de Vida (ICV). Após o golpe militar de 1964, o Dieese sofreu com a desarticulação do movimento sindical e foi impedido de realizar suas funções devido à intervenção no Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, onde estava sediado, retomando suas atividades em 1965.
Mas mesmo com a repressão, o Departamento conseguiu apoiar os trabalhadores, fornecendo cálculos e estudos sobre a política salarial, cada vez mais arrochada. Desde então, a entidade viveu um processo de expansão, consolidação e modernização. Em 1981, para renovar a base de calculo do ICV foi criada a Pesquisa de Padrão de Vida e Emprego, PPVE, que se estendeu até 1983. A PPVE está na origem da PED, lançada no final de 1984. 
Nas décadas de 1980 e 1990, o Dieese atravessou e superou vários momentos de crises financeiras e, às vezes, de ordem sindical e até política. Entretanto conseguiu se firmar como um pilar do sindicalismo, produzindo dados confiáveis, apropriados também pela sociedade. Em maio de 2010, a história da entidade foi coroada com a concretização de um de seus mais ambiciosos projetos: a fundação Escola Dieese de Ciências do Trabalho, com disciplinas de especialização para dirigentes sindicais. 
Apesar de toda a história de prestação da entidade, em 2015, 66 técnicos lotados no Dieese Pernambuco foram desligados de suas funções devido a falta de contrapartida do Governo do Estado para a realização da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED). 
“Esse desligamento trouxe prejuízos concretos para Pernambuco que passou a não contar com esse importante instrumento científico para o diagnóstico de informações”, destacou Tereza Leitão. 






Com informações da assessoria.






















Ads Inside Post