sábado, 31 de outubro de 2015

Integrar governo, sociedade e empresário é solução para crise na indústria, diz Côrte Real


A indústria brasileira passa por um momento crítico, independe da crise econômica que atinge o País, avalia o deputado Jorge Côrte Real (PTB-PE). Segundo ele, o crescimento só será retomado quando houver maior integração de ações entre empresários, sociedade e governo. “Temos que elaborar projetos e programas com metas e prazos e, a partir desses projetos e programas, retomarmos esse crescimento”, declarou o parlamentar, ao comentar audiência pública realizada Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio da Câmara dos Deputados, na qual foram debatidos planos de produção e estímulo à modernização de indústrias nacionais.

Côrte Real lembra que, nos últimos anos, a indústria nacional vem perdendo a participação em termos de percentual no Produto Interno Bruto (PIB), assim como vem perdendo dinamismo. Entre os problemas que levam a essa situação, cita os equipamentos velhos utilizados pelas empresas, que têm, em média, 10 a 15 anos. “Estamos ultrapassados em termos de máquinas e equipamentos. Precisamos reformar e modernizar o nosso parque industrial”, disse o petebista.
 O deputado critica a alta carga tributária incidente sobre os produtos, assim como a legislação trabalhista, que, na opinião dele, encarecem o trabalho e não induzem a geração de empregos. “A infraestrutura é precária. É difícil levar os insumos às empresas e, da mesma maneira, de sair com os produtos das indústrias para entregá-los aos consumidores, principalmente quando se trata de comércio exterior. A infraestrutura de portos é muito ruim”, criticou Côrte Real.


Jorge Côrte Real ressalta a necessidade de se capacitar a mão de obra, para que as empresas deixem de perder em qualidade e produtividade. “A capacitação dos trabalhadores está inerente, também, à área de educação, principalmente da educação básica, que ainda é muito precária no País”, declarou. O deputado defende a elaboração de uma política industrial de longo prazo, com a definição de prioridades, critérios e investimentos – com segurança jurídica –, para que o industrial possa investir na modernização e na capacitação que melhoram a produtividade, além da inovação.








Com informações da assessoria.


















Bloqueio de internet móvel pode render multa de R$ 8 milhões às operadoras

A novela envolvendo as operadoras de telefonia brasileira e a administração da internet mobile oferecida por elas pode ter um fim muito em breve. A ação movida pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça (DPDC/MJ) ataca justamente a estratégia aplicada por empresas como Oi, Vivo, TIM e Claro aqui no Brasil, que passaram a cortar completamente a navegação do consumidor assim que ele atinge o limite do seu plano de dados. A conclusão do processo pode render uma multa milionária para as marcas.
Essas companhias já ensaiam há um bom tempo a transição do sistema de reduzir a velocidade da conexão para a interrupção total do serviço. Usuários de todo o país acabaram conseguindo liminares para impedir o ato, e, agora, eles contam com a ajuda do DPDC/MJ. De acordo com o site Mobile Time, o órgão acabou encontrando uma série de indícios de violações às normas de defesa do consumidor, atentando contra itens como falha no dever de informação, descumprimento de oferta e até mesmo ofensa à publicidade realizada até então.
Segundo a informação obtida pela página, o novo plano de negócios das operadoras fere tanto os artigos 4º, caput, incisos I, III e IV e 6º incisos II, III e IV – que asseguram os princípios e os direitos básicos do consumidor –, bem como artigos 30, 31 e 37, § 1º do Código de Defesa do Consumidor. Por conta da instauração do processo, as empresas mencionadas têm um prazo de dez dias para juntar todo material disponível e apresentar suas defesas. Caso sejam consideradas culpadas das infrações, elas podem vir a pagar multas acima dos R$ 8 milhões.


Do portal Tecmundo.










Sinapro e Acic debatem sobre crise em Caruaru


Representantes dos segmentos político e econômico estiveram reunidos no auditório da Acic para participar do evento "Crise: vamos conversar e debatê-la". Realizado pelo Sinapro e pela Acic, o momento também marcou o início das edições do Fórum da Propaganda de Pernambuco em Caruaru, que irão acontecer nas últimas quintas-feiras de cada mês.

Na ocasião, palestras com Gustavo Maia, PhD em Economia e ex-secretário de Planejamento e Meio Ambiente de Pernambuco; Francisco Cunha, diretor da TGI Consultoria Empresarial e da Revista Algo Mais; e José Nivaldo Júnior, cientista político, escritor e membro da Academia Pernambucana de Letras. Eles apresentaram ao público um diagnóstico da recessão econômica e as possíveis soluções que podem ser tomadas para superação do período.

O especialista Gustavo Maia apontou algumas causas para as dificuldades que estão sendo enfrentadas no País. Política fiscal expansionista, aumentos dos gastos governamentais, ampliação do crédito e incentivo do poder de compra foram destacados. "A situação de crise já vinha sendo identificada em análises anteriores ao período. É preciso defender um ajuste fiscal drástico. Por isso, a importância de dialogar constantemente sobre o assunto, inclusive do ponto de vista técnico, para pensarmos em saídas compatíveis com a economia nacional", disse.

O conselheiro da Acic e empresário Djalma Cintra Júnior e a deputada estadual Raquel Lyra participaram como mediadores. O ex-governador de Pernambuco João Lyra Neto também esteve presente. Os inscritos tiveram a chance de fazer perguntas aos palestrantes e esclarecer dúvidas sobre os impactos da recessão para a região. A organização coletiva em defesa de propostas foi defendida pelos convidados como atitude fundamental para o empresariado.

Os objetivos das entidades foram evidenciados pelos presidentes das instituições realizadoras. "O Sindicato cumpre seu papel trazendo temas relevantes para o debate. Os profissionais e empresas da Propaganda precisam estar atentos às questões de impacto nacional para agir coletivamente", enfatizou o presidente do Sinapro, Antonio Carlos Vieira. Para o presidente da Acic, Osíris Lins Caldas, é necessário planejar com inovação.“No nosso auditório, recebemos grandes, médios, micro e pequenos empresários. É ideal promover esta agenda na Associação, especialmente, porque contamos com muitos empresários de micro e pequenos negócios que são a base da economia brasileira e sustentam a relação renda e emprego, enquanto os grandes e médios podem se movimentar com mais dinamismo. Inovar para encontrar oportunidades faz toda a diferença". 








Com informações da assessoria.














Sem Terra celebram 30 anos da primeira ocupação realizada pelo MST


Para comemorar os 30 anos da ocupação da Fazenda Annoni, simbolo de resistência do MST e luta pela terra, está sendo realizado, na manhã desta quinta-feira (29), um ato político no Assentamento Novo Sarandi, em Sarandi, na região Norte do Rio Grande do Sul.
O evento terá a participação do coordenador nacional do MST, João Pedro Stédile, acampados, assentados da reforma agrária, e outras lideranças e autoridades locais e regionais que fizeram parte desta história.
A ocupação da Annoni ocorreu em 29 de outubro de 1985 por mais de 7 mil trabalhadores rurais Sem Terra, e foi a primeira realizada por famílias organizadas no MST, que já vinham se estruturando desde o acampamento Encruzilhada Natalino, também na região Norte do Estado.
Oito anos depois, em 1993, a área de 9.300 hectares foi destinada para fins de reforma agrária. A partir disto, o MST se consolidou como movimento social e suas práticas se disseminaram por todo o território brasileiro.
Acampamento da juventude

Ainda em comemoração aos 30 anos da ocupação da Fazenda Annoni, jovens do MST promovem, de quinta-feira a domingo (29/10 a 1/11), o Acampamento Estadual da Juventude Sem Terra, também no Assentamento Novo Sarandi.
Com o lema “Somos filhos e filhas de uma história de lutas”, o evento reunirá cerca de 800 jovens, oriundos de todas as regiões do estado gaúcho, além de contar com representações de Santa Catarina e do Paraná.
De acordo com Anderson Girotto, da coordenação do evento, um dos propósitos do acampamento é resgatar a história de luta dos Sem Terra.
“A ocupação da Fazenda Annoni é considerada um marco na história do MST e o acampamento da juventude vem para reforçar o legado de lutas que os camponeses construíram nesses 30 anos.”, explica Girotto.

Nos quatro dias de atividades os participantes terão acesso à oficinas, apresentações culturais, plenárias e debates.



Do portal do Sindsep.







Petroleiros entram na Justiça contra venda de ações da Gaspetro pela Petrobras


A Federação Única dos Petroleiros (FUP) ingressou na Justiça Federal, com uma Ação Civil Pública (ACP) para tentar impedir a concretização da venda, pela Petrobras, de 49% das ações da subsidiária Gaspetro. A venda à empresa Mitsui Gás e Energia do Brasil foi anunciada após a última reunião do Conselho de Administração da Petrobras, ocorrida no dia 23. A FUP entrou com a ação na última segunda-feira (26).
Na visão dos petroleiros, a possível venda rompe com o modelo de integração vertical necessário à empresa e não se justifica sob a lógica do preço de mercado. Para o coordenador-geral da FUP, José Maria Rangel, a venda é suspeita porque, segundo ele, o presidente licenciado do Conselho de Administração da Petrobras é presidente da Vale, e a Mitsui tem participação na mineradora. “Os números da proposta de venda também são complicados, pois em dois anos e meio você consegue reaver o que vai ser investido”, disse José Maria.
Para Rangel, a venda da Gaspetro vai ser prejudicial para a integração da Petrobras nos vários setores de energia em que ela atua. “A Petrobras atua em todas as linhas: produção, exploração, distribuição, refino e venda. Então, quando se vende parte da Gaspetro, está se abrindo mão de um segmento importante, que é a malha de gás.”
Rangel considerou que a possível venda de parte da Gaspetro será lesiva ao país. “Não tenha dúvidas. Os números do negócio demonstram isso. Pega o preço que está sendo vendido e em dois anos e meio se recupera o que está sendo investido. Isso vai causar para a Petrobras uma perda em seu faturamento na ordem de R$ 1 bilhão. É um 'negócio da China', bem abaixo do preço de avaliação do banco JP Morgan, para quem os 49% das ações significam R$ 5 bilhões.”
A ação, de acordo com nota divulgada pela FUP, pede a paralisação da venda da Gaspetro, sob pena de multa diária de R$ 1 milhão, em caso de descumprimento. Além disso, a ação cobra a íntegra de todas as atas do Conselho de Administração da estatal, a partir de março de 2015, bem como os estudos prévios relativos à venda de parte do capital da Gaspetro.
A Petrobras foi procurada para se pronunciar sobre a ação impetrada pela FUP e os motivos que levaram a empresa a vender parte das ações da Gaspetro. A assessoria de imprensa da estatal disse, por e-mail, que a companhia ainda não havia sido notificada.



Do portal do Sindsep.








“Vamos trazer mais centros de pesquisa para o Brasil”, afirma Armando Monteiro

Ministro participa em Londres do Innovate in Brasil, que reúne executivos de empresas europeias com potencial e interesse em instalar centros PD&I no país

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, afirmou nesta quinta-feira (29), em Londres, que o Brasil deseja ampliar o número de centros de pesquisa, desenvolvimento e inovação. Nos últimos cinco anos, 42 centros de P&D de grandes empresas multinacionais foram instalados no país.

Armando participou do Seminário Innovate in Brasil, que reúne 60 executivos de empresas europeias com potencial e interesse em instalar centros de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) no Brasil. A iniciativa, promovida pelo MDIC e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) faz parte da divulgação do Innovate in Brasil, programa que visa promover investidores globais que queiram implantar centros de P&D no país.

“Em meio a um ambiente de crescente competição entre os países para atração de centros de pesquisa e desenvolvimento, estamos conscientes de que o maior desafio é continuar a fortalecer o nosso sistema de inovação (...). Estamos confiantes de que a forte presença de empresas internacionais, o tamanho do mercado doméstico, a qualidade das políticas públicas e a constatação de que o país alcançou um grau de maturidade e densidade tecnológica em diversas áreas do conhecimento são aspectos que indiscutivelmente nos conferem vantagem para atrair mais investimentos”, afirmou.

O ministro lembrou que o Brasil ampliou seus parques tecnológicos, que hoje abrigam mais de 900 empresas e empregam 32 mil pessoas. “São incubadoras e centros de pesquisas que estão trabalhando continuamente para a produção de novos produtos e processos”, disse.

Armando citou aos mais de 60 executivos britânicos presentes no evento uma série de ações para estimular a inovação, como a Lei de Inovação; a nova Lei de Biodiversidade; linhas de crédito e financiamento; expansão do ensino superior e aumento de alunos na pós-graduação; bem como acordos de cooperação com escritórios de patentes de outros países para compartilhar e agilizar o trabalho de exame técnico, reduzindo o tempo médio de avaliação.

“Como resultado, os investimentos nessa área alcançaram 1,24% do PIB. O país consolidou sua presença em áreas como pesquisa agropecuária, aeronáutica, energias renováveis e petróleo e gás, especialmente nas tecnologias de extração de petróleo em águas profundas”, disse.





Com informações da assessoria.















Diversidade étnico-racial é discutida entre estudantes e professores de Garanhuns

O seminário aconteceu na manhã desta sexta-feira (29) com professores e será realizada com estudantes nesta tarde


Está sendo realizado em Garanhuns, o seminário Outras Índias e outras Áfricas - Oriaxé - Gênero e Estética Negra. Na manhã desta quinta-feira (29), o encontro aconteceu na Câmara Municipal de Vereadores. Aproximadamente 100 professores dehistória, arte e língua portuguesa e os professores das escolas que atendem aos estudantes quilombolas da Rede Municipal e Estadual de Ensino participaram do momento. O objetivo do seminário é implementar ações de discussões de gênero e diversidade étnico-racial entre professores e estudantes de Garanhuns.

Durante esta tarde, o seminário acontecerá na Escola de Referência em Ensino Médio (Erem) Garanhuns. Aproximadamente 300 estudantes, de 8 escolas da Rede Municipal e Estadual de Ensino de Garanhuns irão participar do momento. O seminário contará com diversas oficinas, que contemplam a atividades sobre estética negra, a respeito da diversidade cultural e contação de histórias. No seminário também serão realizadas algumas atividades culturais, incluindo grupos de dança e teatro.

O gerente de Ensino da Secretaria de Educação, Carlos Barros, fala sobre a importância de trazer essa discussão para o município. “Discutir temas como esses com professores é abrir novas possibilidades para o ensino. Debatendo isso com os professores, eles podem incluir isso em seu plano de atividades, trazendo o assunto para dentro das salas de aula. Tal discussão irá fortalecer a identidade cultural de raça e etnia nas escolas, principalmente nas que atendem crianças quilombolas”, afirmou o profissional.

O seminário é uma realização da Secretaria Municipal de Educação em parceria com a Secretaria de Educação de Pernambuco, por meio do programa Mais Educação e a Marcha das Mulheres Negras.







Com informações da assessoria.













quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Inspetor de educação do consulado geral da Itália, visita SEDUC em Vicência-PE


As Secretárias de Educação e Esportes de Vicência-PE, Cristina Jerônimo e Iracema Albertins (adjunta), receberam no prédio da secretaria o Dr Augusto BELLON, inspetor de Educação do Consulado Geral da Itália. 






Saiba mais aqui.























Em Garanhuns, empresas usam cobradores nas portas dos seus devedores. Isto não é permitido por lei!


Em meio à crise econômica que atinge todo o país, o número de devedores só faz crescer. Sem dinheiro para pagar as dívidas, 74% dos brasileiros já pensam em usar o 13º salário para quitar os atrasados, segundo pesquisa divulgada pela Anefac na terça-feira (27). Até lá, precisam conviver com cobranças. Mas o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) alerta: nem toda cobrança é permitida por lei e as abusivas podem ser denunciadas.





Saiba mais aqui.


























Fiéis lotam a praça do Padre Cicero, para a missa dos romeiros em Belo Jardim.




Saiba mais aqui.


























MP e prefeitos cobram agilidade da conclusão da adutora Pajeú, qualidade de saúde e efetivo policial


Com o MP, a missão de acionar as empresas fornecedoras de material para a obra e monitorar os trabalhos. Assim, caso haja cumprimento do sinalizado, a ideia é concluir essa etapa da Adutora até a segunda quinzena de novembro. “O representante do DNOCS ficou surpreso com nosso poder de articulação”, disse o promotor Lúcio Almeida.


Paralelamente, continua a pressão junto ao Ministério da Integração Nacional para acelerar os ramais da Adutora do Pajeú para Triunfo, Santa Cruz e Jericó, bem como incluir de novo no projeto cidades como Brejinho e Santa Terezinha, na ponta do Alto Pajeú.




Saiba mais aqui.























Secretaria de Saúde de Orobó presta contas em Audiência pública, das ações do último trimestre.

É bem interessante essas prestações de contas desta gestão. 

Não faz muitos dias que este blog postou uma matéria falando sobre as condições de saúde de Orobó. Relembrar as vezes é importante: Nos Postos de Saúde de Orobó falta quase tudo: Medicamentos de uso contínuo para pressão alta, diabetes, triglicerídeos, gastrite, até para gripe; nas comunidades não tem nenhum automóvel para socorrer doentes. Digo por que eu mesma já socorri vizinhos varias vezes. 







Saiba mais aqui.




















Câmara de Carpina debate cursos de pós graduação na cidade


A Câmara de Vereadores através da Comissão Permanente de Educação realizou uma audiência pública para debater, sobre os Cursos Irregulares de Graduação e Pós-Graduação, “se não tiver na lista e liberação do MEC, tem grande chance de ser irregular. Convido aos alunos a procurar no portal do Ministério”, indiciou o professor Vicente, presidente da Associação Nacional dos Estudantes de Pós-graduação que presidiu a audiência.





Saiba mais aqui.



















Ads Inside Post